Turismo de Base Comunitária e Desenvolvimento Local

Neste post, compartilhamos a publicação “Vale do Ribeira: um ensaio para o desenvolvimento das comunidades rurais”, lançada em 2006 e resultado de um amplo projeto que nós da Manufatura de Ideias realizamos quando ainda formávamos a Agenda de Ecoturismo do Vale do Ribeira.

Neste trabalho, coordenado por Devancyr Apparecido Romão, procuramos uma abordagem alternativa sobre o desenvolvimento da área rural, especificamente onde se encontra a agricultura familiar do Vale do Ribeira, até então comumente estigmatizada como local de permanência da pobreza e da miséria, diferentemente das regiões de agricultura para exportação – único modelo considerado viável para o campo.

O debate envolve o reconhecimento do meio rural brasileiro como fonte de riqueza econômica, social e cultural, produzida por homens e mulheres, entre agricultores familiares, pescadores artesanais, extrativistas, ribeirinhos, assentados da reforma agrária, comunidades remanescentes de quilombos, povos indígenas e da floresta, entre outros. E, a partir de então, qual deve ser o caminho para um crescimento econômico e ambientalmente sustentável, com acesso a direitos, geração de trabalho, renda e qualidade de vida para as populações.

O trabalho chama a atenção para atividade do ecoturismo de base comunitária, como instrumento de uma maior autonomia dos produtores e produtoras familiares ao assumirem a comercialização de sua produção, bem como da valorização da cultura local e da utilização ambientalmente sustentável do território e da economia local.

Trata-se do resultado de um extenso e minucioso trabalho que agregou esforços de pesquisadores e pesquisadoras articulados com demais agentes sociais do poder público, de organizações não-governamentais e das próprias comunidades em torno de um projeto-ação realizado na região do Vale do Ribeira, ao sul do Estado de São Paulo.

Este livro foi publicado pelo Núcleo de Estudos Agrários e Desenvolvimento Rural (NEAD) e Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e propõe-se a abordar as principais questões relaciona das ao ecoturismo como alternativa para desenvolvimento econômico e ambientalmente sustentável. Apresenta também uma contribuição teórica e analítica para subsidiar os processos de estabelecimento de políticas públicas de fomento da atividade turística, destacando de maneira consistente aspectos ambientais, fundiários, de produção, de comercialização e reafirmando a importância de ampla mobilização e participação de agentes sociais, em especial das comunidades nos processos de planejamento e gestão.

Acesse a publicação AQUI.