Cinevale (7) – Registro

Informações prévias de Registro

O nome Registro advém do século XVIII, quando as embarcações com ouro que desciam o rio Ribeira de Iguape em direção a Iguape tinham sua carga “registrada” por um agente da metrópole instalado no local, com o propósito de cobrar o dízimo devido à Coroa Portuguesa. O desenvolvimento do povoado que ali se instalou, assim como de toda a região, só viria a ocorrer a partir de 1920 com a chegada dos imigrantes japoneses que vieram trabalhar nas lavouras de café e no beneficiamento de arroz. Os imoigrantes são trazidos pela Companhia Ultramarina de Empreendimentos Kaigai Kogyo Kabukushi Kaisha (KKKK), empresa de desenvolvimento industrial e rural que construiu importantes instalações industriais nas margens do rio Ribeira de Iguape. A KKKK introduziu no país as primeiras mudas de chá preto, que é hoje a principal cultura do município, além de ter sido responsável pela instalação de grande número de imigrantes japoneses em toda a região do vale do Ribeira. Em 17 de setembro de 1934, Registro foi elevada à categoria de distrito do município de Iguape e, em 30 de novembro de 1944, à categoria de município.

Ações Preparatórias

O trabalho prévio de planejamento das atividades e articulação com os atores locais constitui uma etapa fundamental para o bom desenrolar projeto. O primeiro passo é sondar se haverá datas comemorativas ou feriados, nos municípios pré-estabelecidos, durante a data de execução do projeto, pelo potencial de atrair maior público.

Feito o contato e definido os locais de exibição, é necessário manter uma comunicação diária com esses atores locais que irão articular as exibições nos bairros. O trabalho de divulgação consiste em contatar jornais e rádios municipais ou regionais e preparar cartazes para serem espalhados pelo município. Além dos cartazes e panfletos para cada município foram feitos três banners do projeto que eram instalados nos momentos da exibição.

Enquanto o público vai chegando, rodamos alguns curta-metragens do Chaplin de aproximadamente vinte minutos. O filme principal exibido é Narradores de Javé, de Eliane Caffé, uma fábula sobre uma pequena comunidade que, em vias de deixar seu lugar, devido à construção de uma barragem, precisam se organizar para reverter a situação. O filme foi escolhido pelas semelhanças com a realidade do Vale do Ribeira.

Em Registro, cidade sede do IDESC, a mobilização e articulação com os locais de exibição foi todo feito pela ONG que espalhou cartazes, distribuiu panfletos e gravou uma fita para um carro de som com uma vinheta para cada dia. Para os locais de exibição foi dado prioridade às escolas inseridas no programa Escola da Família, uma vez que, em Registro, constituem o espaço mais comunitário dos bairros e que os funcionários do programa podem ajudar na mobilização da comunidade. A Rádio Amiga 99.1 transmitiu chamados do Cinevale nos intervalos da programação.

Dia 08/09 – Serrote

Chegamos em Registro aproximadamente às 16:00 e rumamos para a comunidade do Serrote, onde a sessão estava programada na Escola Joaquim Goulart. Havia sido acordado com a diretora da escola que os alunos do período noturno seriam dispensados para assistirem ao filme e quando foram chegando nos ajudaram a preparar o espaço de exibição.

A sessão contou com 93 pessoas entre alunos e funcionários da escola e algumas poucos moradores da comunidade que compreenderam bem a mensagem do filme, identificando-se com o enredo. Serrote não sente a ameaça da construção de uma represa, mas durante a duplicação da BR-116, a construção do viaduto de acesso ao bairro ameaçou a retirada de algumas casas o que decorreu na organização da vizinhança. No debate, a relação da duplicação da estrada com a represa foi levantada pelos espectadores rendendo boa discussão.

Dia 09/09 – Xangrilá

Em Xangrilá, na Escola Aurora Coelho, só havia duas turmas de colegial no período noturno, portanto o público esperado era, em sua maioria, dos alunos dos outros períodos e de uma faixa etária bem inferior

A sessão estava cheia de início, com 95 espectadores, mas por ser um público mais infantil ficaram muito inquietos de forma que não foi possível estimular um debate sobre o filme.

Dia 10/09 – Arapongal

Chegamos na Escola Pacheco Lomba aproximadamente às 17:00 que, devido ao programa Escola da Família, estava aberta e cheia de estudantes e pessoas da comunidade utilizando seu espaço neste dia de sábado. A equipe se dividiu para montar o equipamento e fazer a divulgação no bairro

A compareceram muitos moradores além dos estudantes que foram convidados pela diretora, contando com 85 pessoas. O debate no final do filme funcionou com os mais velhos e adultos que estavam presente.

Dia 11/09 – Capinzal

Na comunidade de Capinzal, a mais afastada do centro de Registro, os funcionários da Escola da Família ajudaram na mobilização que foi mais difícil neste dia, pois além de domingo também estava chovendo, o que desmotivava as pessoas a saírem de casa. Como chegamos com bastante antecedência e montamos rapidamente o equipamento, começamos a exibir o filme Mágico de Oz para distrair as crianças que estavam na escola, enquanto o IDESC cuidava da divulgação.

Quando se aproximava das 19:00, foram chegando bastante pessoas completando a sessão com 66 espectadores, que demonstraram ter gostado do filme participando do debate final.

Dia 12/09 – Nosso Teto

O bairro Nosso Teto originou-se a partir de um conjunto habitacional na periferia de Registro, ele é o mais urbanizado dentre os que visitamos no município. Chegamos na Escola Koki Kitajima durante às aulas do vespertino e na saída os alunos nos ajudaram a preparar o espaço. À noite, muitos voltaram para a exibição

Os alunos do período noturno foram chegando e se acomodando nos espaços e apesar da chuva, tivemos nesta sessão 72 espectadores. Apesar de estimulado, o debate fluiu pouco, mas o interessante é que na saída algumas que não eram estudantes, mas moradores do bairro que foram assistir ao filme, agradeceram a nossa presença.

Dia 13/09 – Centro de Registro

A última sessão foi marcada no centro da cidade e como não há praças em Registro a exibição ocorreu no Colégio Fábio Barreto. Vale destacar que foi a maior sessão do projeto, haja visto que nos demais município visitados foi dado prioridade às localidades menores.

O número de alunos espectadores foi de 246, um número tão alto que dificultou a realização do debate. No entanto, muitos demonstraram ter gostado e captado a mensagem pelas conversas individuais que tivemos no final.

Dia Hora Exibição Bairro Público
08/09 19:00 Escola Joaquim Goulart Serrote 93
09/09 19:00 Escola Aurora Coelho Xangrilá 95
10/09 19:00 Escola Pacheco Lomba Arapongal 85
11/09 19:00 Escola Irene Machado Capinzal 66
12/09 19:00 Escola Koki Kitajima Nosso teto 72
13/09 19:00 Colégio Fábio Barreto Centro 246
TOTAL 657

Avaliação

Em Registro podemos avaliar que as escolas são um bom espaço de exibição, embora algumas sessões, em que o público era predominantemente infantil, não renderam bons debates.

No aspecto da divulgação, este município superou todos os demais, contribuindo para a presença de um bom público, apesar das chuvas.

Veja o álbum de fotos completo do Cinevale em Registro aqui.